Protensão no clima frio? Saiba como driblar este adversário.

imagem: farm3.staticflickr

imagem: farm3.staticflickr

Se você está construindo no sul do Brasil, onde o inverno é mais rigoroso, ou está em regiões onde a temperatura é muito baixa, você está sujeito a correr riscos de prejudicar toda a sua estrutura ou até mesmo perder toda a sua obra pelo frio.

Portanto, devemos tomar precauções para que tudo se mantenha de pé por mais tempo possível sem nenhum dano. 

A protensão no frio não é diferente de uma em clima quente, a diferença está no material que irá utilizar para protender. Devemos mantê-los com as propriedades intactas para os cálculos e as medidas não tenham imprecisões. E para não ocorrer desastres, trago algumas dicas para manter a produção da sua obra sob controle, principalmente o concreto, que é o principal material para a construção, juntamente da cordoalha, mantendo assim, a obra estabilizada.

 O clima do inverno se dá com um período em que a temperatura diária média está em torno de 4º graus C (40º F) por mais de 3 dias consecutivos. Estas condições justificam a tomada de precauções especiais durante o lançamento, cura e proteção do concreto contra os efeitos do tempo frio. Assumindo que as condições podem mudar rapidamente nos meses de frio, as boas práticas de concreto e um planejamento adequado são fundamentais . 

Por que temos que considerar o frio em obra? 

Uma concretagem bem-sucedida em clima frio exige a compreensão dos diversos fatores que afetam propriedades do concreto.

No seu estado plástico, o concreto irá congelar se a sua temperatura se for abaixo de -4° C (25° F). Se o concreto plástico congela, a sua resistência potencial pode ser reduzido em mais de 50% e a sua durabilidade vai ser negativamente afetada. O concreto deve ser protegido contra o congelamento, até atingir uma resistência à compressão mínima de 500 psi (3,5 MPa), o que levará, pelo menos, dois dias após o lançamento de concreto a 10° C (50° F).

 O concreto com a temperatura baixa tem um efeito maior sobre a taxa de hidratação do cimento, o que resulta num tempo de secagem maior e um ritmo mais lento de ganho de resistência. Uma regra prática é que uma queda de temperatura de 10° C (20° F) do concreto, aproximadamente duplicará o tempo de cura. Quando se planeja operações da construção como por exemplo a desfôrma, deve ter em conta um ritmo mais lento, para o concreto ganhar resistência no tempo frio.

 O concreto, em contato com a água e exposto a ciclos de congelamento e descongelamento, durante a construção, deve conter ar em sua estrutura. O concreto recém colocado é saturado com água e deverá estar protegido dos ciclos de congelamento e descongelamento até que uma resistência à compressão mínima de 3500 psi (24,0 MPa) for alcançado.

 A hidratação do cimento é uma reação química que gera calor. O concreto recém colocado deve ser devidamente isolado para reter o calor e, assim, manter a temperatura de cura favorável. As grandes diferenças de temperatura entre a superfície da massa interna e do concreto devem ser evitadas, pois pode produzir fraturas quando a diferença for superior a 20° C (35° F). Isolamento ou medidas de proteção deve ser gradualmente retirado para evitar choque térmico.

 Como lançar o concreto em clima frio?

 As temperaturas recomendadas durante o lançamento estão mostradas abaixo. O fornecedor de concreto pode controlar a temperatura da mistura por aquecimento da água e/ou agregados, e deve entregar concreto em conformidade com a norma ASTM C94.

 

A temperatura do concreto em tempo frio não deve exceder estes valores recomendados em mais de 10° C (20° F). O concreto em altas temperaturas exige mais água de amassamento, tem um alto ritmo de cura e é mais suscetível a rachaduras. A concretagem em tempo frio, dá a oportunidade de uma qualidade superior, porque uma temperatura inicial do concreto mais fria irá resultar numa resistência final mais elevada. 

Um tempo de cura e de ganho de resistência do concreto mais lentos durante o tempo frio retardam as operações de acabamento e extração das fôrmas. Aditivos químicos e outras modificações à mistura de concreto podem acelerar o tempo de cura. Os aditivos químicos aceleradores, de acordo com a norma ASTM C494- Tipo C ( aceleradores ) e E ( redutores de aceleradores de água ), são comumente usados no inverno. O cloreto de cálcio é um aditivo acelerador comum e eficaz, mas não pode exceder uma dose máxima de 2 % em peso de cimento. Aceleradores sem cloreto de aço inoxidável, podem ser utilizados em concreto protendido ou a corrosão do reforço de aço ou de metal em contato com o concreto é um problema. Misturas com aceleradores não protegem o concreto de congelamento e a sua utilização não exclui as condições de temperatura e de concreto de cura apropriado. 

A aceleração do ritmo pega e ganho de resistência podem ser também conseguidas através do aumento da quantidade de cimento portland ou cimento V-ARI ( alta resistência inicial). A percentagem relativa de cinzas volantes ou de escória no cimento pode ser reduzida no tempo frio, mas isto pode não ser possível se a mistura tiver sido especificamente concebida para durabilidade. A decisão apropriada deve fornecer uma solução economicamente viável com o mínimo impacto sobre as propriedades finais do concreto. 

O concreto deve ser colocado com o assentamento prático mais baixo possível, pois isso reduz a exsudação e o tempo de cura. Se você adicionar de 5 a 10litros de água por m3 vai atrasar o tempo de cura em 2 horas. O tempo de cura retardado prolonga a duração da exsudação. Você não deve iniciar as operações de acabamento, enquanto o concreto continua a exsudar, pois isso irá resultar em uma superfície fraca.

Deverão ser feitos preparos adequados antes do concreto ser lançado. A neve, geada e gelo devem ser removidas. A temperatura de superfícies de metal e materiais em contato com o concreto devem estar acima do ponto de congelamento. Isso pode requerer isolamento ou aquecimento da base de contato superficial antes de lançar.

 Os materiais e equipamentos necessários para proteger o concreto devem estar no local (durante e após a colocação) desde os primeiros momentos de congelamento e de retenção o calor gerado pela hidratação do cimento. Estas são medidas comumente utilizadas; lonas de isolamento e palha coberta com folhas de plástico.

Podem ser necessárias fôrmas isoladas e bem fechados para proteção adicional, dependendo das condições do ambiente. Os cantos e as bordas são mais suscetíveis a perda de calor e requerem atenção especial. Aquecedores que utilizam combustíveis fósseis em áreas confinadas, devem ser ventiladas por razões de segurançapara evitar a carbonatação do concreto de superfícies recentemente lançadas que causam pulverização. 

Não deixe a superfície do concreto secar , enquanto esteja em um estado plástico, pois isso pode provar fissura por retração plástica. Subsequentemente, o concreto deve ser adequadamente curado. Cura de água não é recomendado quando baixas temperaturas são iminentes. Use compostos de cura de membrana, papel impermeável ou folhas de plástico em caso de lajes de concreto. 

Fôrmas, (exceto no caso de metais) servem para manter e, eventualmente, distribuir o calor, assegurando, por esse motivo, uma proteção adequada para o caso do tempo moderadamente frio. Em temperaturas extremamente frias, devem ser utilizados fôrmas (moldes) isoladores térmicos, especialmente no caso de secções finas. Estas Fôrmas não devem ser removidas entre 1 e 7 dias , dependendo das características de projeto, as condições ambientais e a carga de aplicação prevista sobre a estrutura . Devem ser utilizados corpos de prova curados em campo para ensaiar com métodos não destrutivos e estimar a resistência do concreto em campo, antes de desformar e aplicar cargas. As amostras curadas no campo não deve ser utilizada para controle de qualidade. 

Um cuidado especial deve ser tomado com cilindros de concreto usados para aceitação ou rejeição do produto. Os cilindros devem ser armazenados em caixas com isolamento, que podem requerer controles de temperatura para assegurar que eles sejam curados entre16 ° a 27 ° C (60 ° e 80 ° F ) durante as primeiras 24 à 48 horas. Um termômetro mínimo / máximo deverá ser colocado na sala de cura para manter o controle estatístico da temperatura. 

Guia para lançamento do concreto no tempo frio

• Use concreto celular quando a exposição à umidade e ao gelo/ degelo são esperadas.

• Mantenha as superfícies em contato com o concreto , livre de gelo e neve e temperaturas abaixo de zero antes da colocação.

• Coloque e mantenha o concreto à temperatura recomendada.

• Despeje o concreto para o menor assentamento prático possível.

• Proteja o concreto do congelamento plástico durante a secagem.

• Proteja o concreto dos ciclos de congelamento e descongelamento precoce, até atingir a resistência adequada .

• Controle as rápidas mudanças de temperatura durante a desforma.

visite também:

cimentoitambe.com.br - concretagem em tempo frio

techne.pini.com.br - Influência da desforma do concreto